cartaz-PT

.

Membro da Academia Brasileira de Cordel e militante histórico do PT, o poeta e escritor, Crispiniano Neto escreveu um cordel alusivo aos 10 anos do governo democrático e popular do PT no Brasil.

 O cordel ‘10 anos de governo com o povo no poder”, foi feito especialmente para a o lançamento dos seminários “O decênio que mudou o Brasil”, realizado na cidade de Fortaleza, que contou com a presença do ex-presidente Lula, do presidente do PT Rui Falcão, da ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello e de Marcio Pochmann, presidente da Fundação Perseu Abramo. Confira o cordel,  abaixo:

01
Lá se vão 33 ANOS
Que eu luto, construo e louvo
Um partido que há 10 ANOS
Vem forjando um Brasil novo,
Um Brasil pra o mundo ver…
DO POVO em pleno poder,
PARA O POVO e PELO POVO!

02
Pois com o PT em Brasília
Vimos o povo exercer
O poder que era da elite
E que mudou pra valer;
Construindo o País novo
Onde O PODER CHEGA AO POVO
E O POVO CHEGA AO PODER!

03
Pois quando o ombro de Lula
Mostrou a faixa, no alto,
Milhões de “Zés” e de “Silvas”
Da poeira e do asfalto,
Desde o Oiapoque ao Pampa,
Se viram subindo a Rampa
Do Palácio do Planalto!

04
Até porque NUNCA ANTES,
NA HISTÓRIA DO PAÍS
Tinha se visto a SENZALA,
SEM MEDO DE SER FELIZ,
Da CASA GRANDE ir pra frente
Fazer UM BRASIL DECENTE
Calando a grana e os fuzis!

05
E o povão, com LULA LÁ,
Começou a tomar gosto,
Botar as unhas de fora
E a mostrar, por fim, o rosto…
Em campos, vilas, cidades,
Inverter prioridades
Tornando em riso, o desgosto.

06
E quando LULA se achou
No comando da jangada,
Viu que as águas eram turvas,
Que a barca estava furada
E que os ventos do Norte
Estavam soprando forte,
Mas pra rasgar a empanada.

07
Viu que o velho Pau-Brasil
Perdera seu verde rico,
Que atentada pelos demos
A Pátria pagava um mico,
A prensa imprensava os planos
E que um bando de tucanos
Levava a nação no bico…

08
Viu que os ventos do atraso
Barravam a brisa moderna,
Que as trevas da injustiça
Turvavam a luz da lanterna
No afogamento profundo
Da lama podre do fundo
Do poço da dívida externa!

09
Que a casa estava caindo
Com a cumeeira rachada,
Os alicerces ruindo,
A cozinha sem ter nada,
E o lixo pelo terreiro…
Quando escorava o banheiro,
A sala estava rachada!

10
Lula tinha dois caminhos
Perante aquele estupor.
Brigar com a realidade
Olhando o retrovisor
Ou então trincar o dente,
Tocar o carro pra frente,
Provar que é TRABALHADOR!

11
Como era do seu feitio
Lula optou pela luta
Pra fazer o BRASIL NOVO
Ganhar a velha disputa
Da ternura contra a ira
E acabar tanta mentira
Tanto atraso e força bruta.

12
E hoje o que é que se vê?
Um BRASIL SEXTA POTÊNCIA,
A DEMOCRACIA PLENA,
O emprego em evidência…
Não foi por acaso, não,
Foi fruto de uma opção
De coragem e inteligência!

13
É que com Lula no leme,
A barca em vez de afundar
Pegou o rumo e no remo
Pôs-se um poder popular:
DO POVO, pra decidir,
PARA O POVO progredir
PELO POVO, a governar.

14
E assim saiu-se o Brasil
Das garras imperiais,
Dos cinco séculos de engodos,
Gemidos, fomes e “ais”;
Das duas décadas sem glória
Que atravancaram a história
Jogando o País pra trás!

15
Foi, de fato, a eclosão
De uma nova cultura;
Quebra da casca do ovo,
Muro em queda, ruptura,
Busca de novas certezas
Bombardeando durezas
Com a munição da ternura.

16
E assim, milhões de excluídos
Conheceram a inclusão,
Dezoito milhões de empregos
De carteirinha na mão,
54 milhões
Fazendo três refeições
Com os filhos na Educação!

17
Viu-se a casa que o pobre
Já nem podia alugar;
Casa que o peão fazia
Depois não podia entrar,
Veio a ser neste momento
Casa, prédio e apartamento,
Feito pra peão morar!

18
Viu-se o carro que operário
Fazia e via ir pra zona
De exportação, com seus filhos
Sem sequer pegar carona,
De repente estar na mão,
E a família do peão
Entrar na loja e ser dona!

19
Também se viu faculdade
Que era pra branco burguês
Abrindo as portas pra o preto,
Pra o filho do camponês
Que vivia desde a infância
Condenado à ignorância,
Sem diploma voz e vez!

20
E o Brasil que era malhado
No plano internacional
Tendo por imagem apenas
Futebol e carnaval
Mudou muito, hoje é de fato,
Um País que é candidato
A potência mundial.

21
Só precisa aprofundar
As conquistas do momento,
Este ciclo virtuoso
De luz e empoderamento
Pra se chegar ao pináculo
E fazer-se o ESPETÁCULO
Que se quer, DO CRESCIMENTO!

22
Portanto, é bom comparar
Sabendo que o Tucanismo
É entreguismo com atraso
Desemprego e servilismo,
Desnacionalização,
Fome e privatização,
Vulgo NEOLIBERALISMO.

23
Comparar com o que o PT
Fez no plano nacional,
O DESENVOLVIMENTISMO
Agrícola e industrial
Interno e de importação,
Emprego, renda e inclusão
Com Justiça social.

24
PRIVATARIA TUCANA
Pôs a pátria em desespero
Cento e oitenta estatais
Vendidas para o estrangeiro
Sob foguetório e palmas…
Foi na bacia das almas
E ninguém viu o dinheiro!

25
E a herança maldita
Dos tucanosos projetos?
Mais de cinquenta milhões
De Sem Terras e Sem Tetos
Excluídos, desterrados,
Milhões de desempregados
Sem futuro e analfabetos.

26
RISCO BRASIL nas alturas,
PIB no fundo do poço
Câmbio do “que rolo” doido
Infraestrutura em destroço,
Autoestima de Macondo
E o FMI pondo
A corda em nosso pescoço.

27
Petrobrás quase falida,
Banco do Brasil capenga,
A Caixa desencaixada,
BNB na pendenga;
O pau falando francês,
Enrolashion e tucanês,
Numa eterna lengalenga.

28
Hoje o Brasil é Brasil…
Com Lula e Dilma no trono
O gigante adormecido
Despertou do eterno sono
Tornou-se um País decente
O povo sentiu-se gente…
Da Pátria sentiu-se dono!

29
Com Lula o povo sentiu-se
Da História, assinando a ata;
Deu um tapa no atraso,
Encabrestou a mamata,
Jogou alto a autoestima
E deu um basta no clima
Do ex-Brasil Vira-lata.

30
Hoje o Brasil é DO POVO
Que governa com o PT
A Política é PARA O POVO
A luz que o futuro vê
E o PT faz PELO POVO
E COM O POVO o Brasil novo
Pois Lula e Dilma… É VOCÊ!!!

Anúncios