O  presidente eleito do PT-Natal, Raoni Fernandes, em entrevista ao Jornal da 96 FM, nesta terça-feira (2), afirmou que sua eleição “sinaliza para a importância da renovação dos quadros de dirigentes do Partido dos Trabalhadores”.

De acordo com ele, essa situação vem se repetindo pelo país, com jovens assumindo importantes diretórios petistas em outras capitais. Perguntado sobre a conjuntura difícil vivida pelo PT, Raoni afirmou que “é um momento hostil à política”, não só ao Partido dos Trabalhadores. Ele admitiu, porém, que o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff e a perseguição de setores da mídia influenciaram negativamente no resultado eleitoral do PT em 2016.

Ele assegurou ser possível reverter essa situação dada a inserção social do PT em Natal. O novo presidente citou como exemplo de êxito a eleição da jovem vereadora Natália Bonavides, com mais de 6 mil votos na eleição de 2016. “A eleição de Natália, que já está mostrando a que veio ao fazer um excelente mandato na Câmara Municipal, mostra que podemos dialogar com novos setores da cidade. Mas precisamos ampliar nossa presença no Legislativo, porque as duas cadeiras que temos atualmente, com os mandatos de Natália e Fernando Lucena, não fazem jus à importância do PT para Natal”, analisou.

Raoni falou, ainda, sobre a necessidade de autocrítica do PT, o que, na opinião dele, é um passo necessário para “retomarmos laços com a sociedade, com a nossa militância e com os novos militantes”. Ele citou, como exemplos de erros, o fato de os governos petistas de Lula e Dilma não terem levado à frente, quando tinham forte apoio popular, as reformas política, midiática e do Judiciário. Em relação à economia, lembrou que os governos petistas retiraram, pela primeira vez em nossa história, o país do mapa mundial da fome. Questionado sobre o tema corrupção, Raoni lembrou que o ex-presidente Lula é “investigado desde que era sindicalista”, sem que tenham encontrado nenhuma prova contra ele. “Eu, enquanto dirigente do PT, não vou fazer autocrítica em cima de denúncias sem provas. Agora, não é admissível que dirigente, parlamentar nem gestor petista use da corrupção para nada”, declarou.

 

 

Anúncios